Procuram-se pacientes com Dor Ciática para estudo de caso

8 11 2013

Como consequência de um trabalho de investigação na área da Medicina Tradicional Chinesa, estou de momento a procurar pacientes que sofram de Dor Ciática para a aplicação de tratamentos com Acupuntura.

Os pacientes serão atendidos em Lisboa sem qualquer tipo de custo para os mesmos.
Os pacientes deverão apenas assumir o compromisso e responsabilidade de receber tratamento 2 vezes por semana, durante um mês completo.
O plano para início dos tratamentos estará agendado para iniciar entre a 3ª e 4ª semana de Novembro de 2013.

Peço a todos os interessados que entrem em contacto através do formulário abaixo.

Um muito obrigado,
Alexandra Gil
Terapeuta de Medicina Tradicional Chinesa





Apêndice: Esterilidade masculina

3 05 2009

A esterilidade masculina pode ser causada por uma contagem deficiente de espermatozóides viáveis, mobilidade insuficiente dos mesmos ou morfologia precária. Pela perspectiva da medicina chinesa, as principais causas de esterilidade masculina caem sobre duas grandes categorias: deficiência dos Rins e Humidade-Calor no sistema genital. Assim como no caso da infertilidade, o tratamento pela medicina chinesa engloba a prescrição de fitoterapia e acupuntura. É sempre uma boa ideia tratar também o parceiro caso exista um dos padrões anteriormente descritos, mesmo que este não seja estéril do ponto de vista da medicina alopática.





Infertilidade

3 05 2009

Sob a perspectiva ocidental, a infertilidade é definida como a incapacidade de um casal conceber após 2 ou mais anos de relacionamento sexual sem o uso de contracepção.
A infertilidade é classificada como primária quando a parceira nunca concebeu, ou secundária, quando a mulher teve uma gravidez anterior independentemente do resultado dessa concepção.

Em qualquer um dos casos ambos os parceiros deverão submeter-se a exames médicos: cerca de 70% dos casos devem-se a infertilidade feminina e 30% por esterilidade masculina.

As causas de infertilidade são muito numerosas. Na maioria dos casos deve-se a distúrbios no eixo hipotálamo-hipófise-ovário, tais como:

• Factores hormonais de ovulação, tais como, menstruação irregular, amenorreia ou síndrome do ovário poliquístico – 41%
• Anormalidade nas trompas de Falópio – 32%
• Factores uterinos – 16%
• Factores cervicais – 4,7%
• Sem causa aparente – 5%

Segundo a perspectiva da medicina tradicional chinesa, a infertilidade poderá advir de múltiplos factores, tais como fraqueza constitucional, excesso de trabalho, exercício físico excessivo, actividade sexual excessiva em idade precoce, invasão pelo frio ou consumo excessivo de alimentos frios, gordurosos e lacticínios.

A infertilidade é frequentemente tratada de acordo com as quatro fases do ciclo menstrual, ou seja: a terapeuta define os princípios de tratamento de acordo com a fase do ciclo em que a mulher se encontra no momento do tratamento seja ela a fase menstrual, fase pós menstrual, fase da ovulação ou fase pré menstrual.
No entanto, a cada caso em particular é dada também ênfase ao tratamento da síndrome base associada que varia de paciente para paciente.

O tratamento da infertilidade na medicina chinesa foca-se principalmente na prescrição de acupuntura e fitoterapia com o propósito de nutrir a deficiência/eliminar factores patogénicos, activar os meridianos Ren Mai e Chong Mai para activar a função uterina e promover a reprodução e acalmar a mente.

Existem no entanto certas condições que dificilmente responderão ao tratamento de acupuntura e fitoterapia:

• Aderências por tuberculose do endométrio
• Mioma sub mucoso (ou muito largo)
• Malformação congénita ou hipoplasia do útero
• Esquistossomose
• Tuberculose do útero

A infertilidade causada pelo bloqueio das trompas de Falópio por aderências e inflamações é muito difícil de tratar embora não seja impossível. A probabilidade de sucesso depende se ambas as trompas estão ou não obstruídas e o quanto estão: se somente uma estiver obstruída ou se ambas estiverem parcialmente o tratamento poderá ter alguma probabilidade de sucesso.

Embora as pacientes possam responder com sucesso em poucos meses de tratamento, em muitos dos casos o tratamento é demorado podendo levar até um ano.





Síndrome do Climatério

2 05 2009

Sob o ponto de vista da medicina alopática o termo “menopausa” indica a cessação completa ou permanente de períodos menstruais; um intervalo de 6 a 12 meses é normalmente necessário para estabelecer o diagnóstico.

A síndrome do climatério indica uma fase na vida da mulher durante a qual ela faz a transição da fase reprodutiva para a não reprodutiva. Esta transição é um período de declínio da função ovárica que geralmente se estende de 2 a 5 anos próximos à menopausa.
Ela ocorre normalmente entre os 48 e os 55 anos de idade sendo a média de idade em países industrializados de 51 anos.

A síndrome do climatério não é um acontecimento que ocorra subitamente na vida da mulher; reflecte antes um processo fisiológico gradual e natural.
A base biológica da menopausa é determinada durante a vida da mulher e, portanto, o seu estilo de vida assim como hábitos alimentares desde a infância determinam que tipo de menopausa tenderá a ter.
Deste modo quaisquer hábitos de vida prejudiciais poderão influenciar o sistema reprodutivo da mulher afectando o seu corpo e mente em outras áreas.

A menopausa não é uma doença. É uma transição fisiológica normal na vida de uma mulher. De facto, muitas mulheres não têm sintomas durante esta época.

Pela perspectiva da medicina chinesa, os sintomas associados à menopausa, a existirem, são geralmente causados por um declínio da Essência dos Rins. No entanto, dentro desta síndrome base, poderão existir muitas variações de padrão.

Os principais sintomas são, em geral, cefaleia, cansaço, letargia, irritabilidade, ansiedade, nervosismo, depressão, insónia, perda de concentração, acessos de calor, secura vaginal e sudorese.

Estes sintomas têm por norma na sua origem o stress emocional, excesso de trabalho ou gestações muito próximas.

O tratamento segundo a medicina chinesa tem como base a prescrição de acupuntura e fitoterapia, e em caso de necessidade, terapias complementares com o objectivo de nutrir os Rins e regular os meridianos maravilhosos, eliminar factores patogénicos e acalmar a mente.

A medicina tradicional chinesa pode ajudar as mulheres a minimizar os seus problemas nesta fase de transição. Embora a severidade dos sintomas (caso ocorram realmente) dependam de condições pré existentes, é importante que a paciente entenda que este é um processo lento e gradual comparativamente aos resultados oferecidos pela terapia de reposição hormonal.

Deve esclarecer-se que se a paciente estiver a receber terapia de reposição hormonal, a prescrição de acupuntura assim como de fitoterapia não é contra-indicada uma vez que ambas trabalham de forma marcadamente diferente.





Que fazer para me manter saudável?

2 05 2009

Depois de ter recuperado a saúde, alguns terapeutas sugerem aos seus pacientes que recorram às consultas de medicina chinesa na mudança das estações como tratamento preventivo.
Aconselham também um estilo de vida saudável, incluindo uma boa dieta, uma atitude positiva em todas as situações e exercício regular.
O exercício deve transformar-se numa rotina diária. Comer alimentos saudáveis significa ser cuidadoso mas sem ser rígido. Por fim, uma atitude positiva é uma ajuda preciosa na manutenção da saúde. Como disse Confúcio:
“Se quisesse explicar toda a minha filosofia numa única frase, diria: Não permitas ideias negativas no teu pensamento.”

Quando a vida se apresenta cheia de adversidades, nem sempre é fácil descobrir as lições positivas a extrair dessas situações, especialmente se forem dolorosas. No entanto há sempre algo a aprender, e tentar descobrir isso em vez de nos agarrarmos à amargura ou ao remorso pode transformar uma atitude destrutiva, que conduz à doença, numa atitude positiva que nos fará crescer e mudar, restituindo-nos a saúde.





Que fazer se estiver a tomar medicação para o meu problema?

2 05 2009

Um terapeuta de medicina chinesa só pedirá a um paciente para reduzir as drogas se tal for necessário. Normalmente reduzem-se as drogas a pouco e pouco à medida que a saúde do paciente melhora.

Se o paciente estiver a tomar drogas fortes ou se a sua patologia exigir a toma regular de medicação, o tratamento de medicina chinesa é efectuado em cooperação com os tratamentos de medicina alopática (ocidental), e esta terapia deve continuar enquanto o paciente sentir necessidade dela. Em alguns casos o processo de exclusão das drogas é bastante demorado e o apoio do terapeuta é fundamental.

É possível que alguns doentes nunca abandonem certas drogas de substituição, como a insulina para os diabéticos ou a vitamina B¹² para a anemia grave, no entanto poderão sempre beneficiar em muito com os tratamentos de medicina chinesa.





Como posso saber se este terapeuta é o ideal para mim?

2 05 2009

É fundamental confiar na capacidade do terapeuta para nos ajudar. Não é obrigatório acreditar nos tratamentos para que estes façam efeito; na verdade a acupuntura em animais é usada com êxito há já muitos anos. No entanto, o tratamento progride mais depressa se o paciente se sentir seguro nas mãos do terapeuta.

Há terapeutas que conversam bastante com os seus doentes, outros que o fazem menos, assim como há doentes que preferem um maior ou menor grau de intimidade. Independentemente do facto de discutirmos ou não os nossos problemas com o terapeuta, um dos elementos essenciais para o êxito do tratamento é uma boa relação entre ambos.